"Foi de Americanas!": rombo fiscal da varejista levanta suspeitas sobre outras empresas

O rombo fiscal bilionário divulgado pela empresa gerou dúvidas no mercado sobre a saúde financeira de outras companhias.

Rombo fiscal

O escândalo divulgado pela Americanas, que soma mais de R$ 40 bilhões em dívidas, resultou na solicitação de uma recuperação judicial.

Desde então, o mercado financeiro tem sido mais analítico quanto as companhias, em seus balanços e saúde financeira.

Com isso, os questionamentos levantaram suspeitas de supostas novas recuperações judiciais em outras companhias.

Logo após o anúncio da varejista, a Ambev foi a primeira vítma das suspeitas. Acusada por uma entidade da área, a empresa pode apresentar um rombo de R$ 30 bilhões.

Escândalos

A fabricante de bebidas rebateu as acusaões. O grupo pertence ao guarda-chuva do 3G Capital, também acionista da Americanas.

Em um documento enviado à justiça do RJ na última segunda (6), a empresa confirmou uma dívida de cerca de R$ 30 bi e uma lista de 14 credores, gerando suspeitas de uma segunda recuperação.

Oi

Mais recentemente, em uma coluna no O Globo, Lauro Jardim disse que a empresa precisaria financiar uma dívida de R$ 3,3 bi em dois anos.

Light

Além disso, em seu balanço do 3T22, a distribuidora de energia apresentou uma dívida líquida de R$ 8,7.