Wall Street abre em queda à espera de discurso de Powell

As expectativas sobre o discurso do presidente do Federal Reserve pressionaram o mercado

Publicidade

Publicidade

Nesta quarta-feira (30), os índices de Wall Street, da Bolsa de Valores de Nova York, abriram o pregão com quedas à espera do discurso do presidente do Fed (Federal Reserve), o Banco Central dos Estados Unidos, Jerome Powell.

O desempenho misto do mercado de ações também foi afetado pela ansiedade acerca da publicação do Livro Bege, também pelo Fed, que trará um panorama sobre a economia norte-americana.

Desempenho misto do mercado

Publicidade

Com o discurso do presidente da autoridade monetária e a publicação do levantamento acerca da economia dos Estados Unidos acontecendo na tarde desta quarta-feira, o mercado financeiro se viu afetado pela ansiedade.


Publicidade

Dessa forma, o índice Dow Jones, que mede o desempenho das ações industriais da Bolsa de Nova Iorque, soma uma queda de 0,76%, aos 33.596 pontos, às 14:38 horas (Horário de Brasília).

Publicidade

O indicador havia finalizado o pregão de ontem (29), em estabilidade, apresentando uma alta de 0,01%.

Já o índice S&P 500, que indica o desempenho das 500 maiores empresas listadas nas Bolsas de Valores norte-americanas, soma uma queda de 0,36% às 14:44 horas (de Brasília), atingindo a marca de 3.943.

Publicidade

Publicidade

Enquanto isso, o Nasdaq apresenta, também por volta das 14:44, uma alta de 0,40%.

Imagem ilustrativa/Foto: Reprodução

A ansiedade à espera dos eventos acerca da economia estadunidense também pressionaram a moeda americana, dessa vez, de maneira positiva.

Publicidade

Assim, o índice DXY — que mede o desempenho do dólar americano diante de seis moedas: o euro, iene, libra esterlina, dólar canadense, coroa sueca e o franco suíço — soma uma alta de 0,15% às 14:45 horas (de Brasília), aos US$ 106,98.

Powell e cenário econômico

Marcado para ocorrer às 15:30 horas (de Brasília), o discurso do presidente do Fed dará perspectivas sobre a inflação dos Estados Unidos e o ciclo de altas da taxa de juros básica da economia.

Publicidade

Isso pois, através da sua fala, Powell pode indicar as perspectivas da autoridade monetária acerca da situação inflacionária da economia norte-americana.

O cenário do ciclo de aumentos é, até então, otimista para o mercado financeiro. A próxima reunião do Banco Central americano deve ocorrer entre os próximos dias 13 e 14 de dezembro e as previsões são de que Fed estabeleça a taxa de juros entre 3,75% e 4% .

Nesta manhã, foram divulgados dados sobre o crescimento do PIB (Produto Interno Bruto) dos Estados Unidos, que cresceu 2,9% durante o terceiro trimestre deste ano, em ritmo anual.

O resultado foi o suficiente para reverter o estado de recessão técnica em que a Economia norte-americana entrou no segundo trimestre do ano, quando apresentou uma redução de 0,6%.

Dessa forma, caso indique uma desaceleração no ciclo de altas das taxas de juros e boas expectativas sobre o crescimento da economia norte-americana, a fala de Powell pode animar o mercado financeiro.


Dados brasileiros

O dia também foi marcado pela publicação de dados sobre a economia brasileira. Na manhã desta quarta-feira, foram divulgadas às 9:00 e 9:30 (Horário de Brasília), informações acerca da empregabilidade e da Dívida líquida/PIB, respectivamente, para o mês de outubro.

Assim, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), durante o período, a taxa de desemprego brasileira atingiu seu menor nível desde 2015, aos 8,3%.

Sobre a dívida bruta do Brasil, os dados foram divulgados pelo Banco Central. O indicador fechou aos 76,8% do PIB durante o mês de outubro, o menor patamar desde antes do início da pandemia.

Banco Central divulgou os dados nesta quarta/Foto: Reprodução

“Com a pandemia, a dívida bruta subiu em decorrência dos gastos necessários para o seu enfrentamento, mas tem decrescido”, disse o chefe do Departamento de Estatísticas do BC, fernando Rocha.

Publicidade