PRF afirma que já liberaram mais de 300 rodovias em manifestações

O presidente do TSE, Alexandre de Moraes pede para que a Polícia Rodoviária Federal e Policiais Militares liberem as rodovias bloqueadas por manifestantes

Publicidade

Publicidade

Nesta terça-feira (01), às 14:36, a Polícia Rodoviária Federal (PRF), afirmou ter liberado 330 pontos de bloqueio nas estradas federais que cortam o país. 

Os eleitores do atual presidente, Jair Bolsonaro (PL), interrompem a movimentação nas rodovias, em protesto contra os resultados do segundo turno das eleições,  na qual elegeu Luiz Inácio Lula da Silva (PT) como o novo presidente da República. 

As manifestações 

Publicidade

No domingo (30), os eleitores do presidente Jair Bolsonaro, deram início, no Mato Grosso so Sul às 21:15, a manifestações contra o resultado do segundo turno da eleição.

Os manifestantes presentes são caminhoneiros e produtores rurais. Entretanto, de acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), a maioria das pessoas que estão protestando contra os resultados das eleições são “populares”, sendo assim não apenas os caminhoneiros ou produtores rurais presentes, mas apoiadores do atual presidente.  

Publicidade


Publicidade

Na manhã de segunda-feira (31), o número de manifestantes era de 134, no fim da noite o número havia aumentado para 421. Os Estados de Santa Catarina, Paraná, Mato Grosso, Pará e Rondônia apresentaram o maior número de intervenção.  

Alguns manifestantes postaram vídeos nas redes sociais convocando mais pessoas para fazer parte da intervenção. Em um vídeo um dos manifestantes disse: “Então você patriota, que está próximo de uma barricada ou de um comboio desses caminhoneiros, apoiem eles. Agora é hora de união da nação e de esperança.[…] Essa guerra foi avisada, foi avisada. Brasil acima de tudo e Deus acima de todos”. 

Publicidade

Publicidade

A intervenção das rodovias prejudica os passageiros, assim como altera as datas de viagens por todo o país, sendo assim impedindo pessoas de realizar viagens ou chegar até o trabalho.

O presidente do TSE, Alexandre de Moraes Créditos: Roosevelt Cassio/Reuters

O Supremo Tribunal Federal (STF)

Na segunda-feira (31), o presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Alexandre de Moraes, ordenou a liberação de todas as rodovias bloqueadas por caminhoneiros, produtores rurais e apoiadores do atual presidente Jair Bolsonaro. 

Publicidade

O Supremo Tribunal Federal (STF), realizou uma votação virtual, na madrugada desta terça-feira (01), com os ministros do Plenário, para aprovar a intervenção de Alexandre de Moraes nas manifestações. 

Os ministros Luís Roberto Barroso, Edson Fachin, Gilmar Mendes, Cármen Lúcia e Rosa Weber votaram a favor da intervenção de Alexandre Moraes nas manifestações. 

Publicidade

De acordo com Alexandre de Moraes, a PRF e a Polícia Militar estadual, federal e municipal,  devem liberar todas as vias públicas, que estão sendo interrompidas pelos protestos.


Alexandre de Moraes disse que se a PRF descumprir as ordens estabelecidas pelo STF, a instituição policial pode levar uma multa diária de 100 mil reais. Alexandre também autoriza a prisão e afastamento do diretor geral da corporação, Silvinei Vasques. 

Em seu comunicado, Alexandre de Moraes escreveu: “Em face da apontada omissão e inércia da PRF, o Diretor-Geral da Polícia Rodoviária Federal adote, imediatamente, todas as medidas necessárias para a desobstrução de vias e lugares antes referidos sob jurisdição federal, sob pena de multa horária, de caráter pessoal, de R$ 100.000,00, a contar da meia-noite do dia 1º de novembro de 2022”. 

Por fim, Moraes afirma que: “e os respectivos Procuradores-Gerais de Justiça de todos os Estados para que tomem as providências que entenderem cabíveis, inclusive a responsabilização das autoridades omissas”, concluiu o magistrado.

Membros da Polícia Rodoviária Federal  Créditos: PRF

A Polícia Rodoviária Federal (PRF)

A Polícia Rodoviária Federal, disse que após a determinação do STF,  eles liberaram mais de 300 rodovias, além de aplicarem 100 multas aos caminhoneiros. A PRF também afirma não saber quem lidera os bloqueios das estradas pelo país. 

O diretor-executivo da PRF, Marco Antônio Territo, disse que os policiais rodoviários que aparecem nos vídeos divulgados nas redes sociais,  impondo ordens aos manifestantes de maneira antidemocrática, serão investigados.

Alguns estados como Minas Gerais, São Paulo, Rio de Janeiro, Espírito Santo, Paraná, Rio Grande do Sul, Rondônia, Bahia, Alagoas, Santa Catarina, Tocantins, Maranhão e Goiás, já autorizaram a ação da Polícia Militar nas operações para o desbloqueio. 

Publicidade