PRF afirma 17 bloqueios rodoviários nesta sexta-feira

De 7 para 17 rodovias federais paralisadas por manifestantes; o último bloqueio foi registrado 9 de novembro pela PRF

Publicidade

Publicidade

Seis rodovias federais foram paralisadas, segundo relato da PRF (Polícia Rodoviária Federal) nesta manhã de sexta-feira (18). O último boletim informou 11 novos pontos de interdição. Grupos de manifestantes apoiadores do presidente derrotado, Jair Bolsonaro (PL), interditam estradas desde as eleições.

A PRF não havia registrado nenhuma paralisação desde o dia 9 de novembro.  Até o momento, são 17 bloqueios rodoviários na Rondônia, Pernambuco e Mato Grosso.

Publicidade


Manhã de sexta

Os bloqueios que iniciaram durante a noite da apuração dos votos (30 de outubro) ocasionaram em 1.087 pontos de bloqueio em rodovias ao redor do país até 9 de novembro. Contudo, todas já haviam sido liberadas, até esta semana.

Publicidade

O primeiro boletim dos bloqueios e interdições nas rodovias federais desta manhã foi divulgado às 9h30. A PRF informou um ponto de fluxo parcialmente interrompido e seis pontos de bloqueio total, sem a localização de nenhum dos pontos.

Publicidade

As manifestações realizadas por grupos que se opõem ao resultado das eleições foram retomadas hoje, dia seguinte do decreto do STF (Supremo Tribunal Federal) para bloquear as contas bancárias de suspeitos de financiar os mesmos atos antidemocráticos.

Bloqueio rodoviário / Foto: Ueslei Marcelino/Reuters

Paralisação nas estradas

Os novos bloqueios rodoviários, embora em um número pequeno, miram a volta das manifestações de grupos contra os resultados das eleições. Após a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva (PT), os apoiadores do presidente Jair Bolsonaro se voltaram às estradas federais para manifestar suas insatisfações. 

Publicidade

Publicidade

Acima de suspender e interromper serviços da saúde, economia e funcionamento da sociedade, os atos de teor antidemocrata pediam por um golpe militar. Pedido ilícito segundo o ministro do STF Alexandre de Moraes.  O presidente Bolsonaro se manifestou em suas redes sociais três dias depois do resultado das eleições, pedindo que seus eleitores se revoltem de outro modo. 

“Outras manifestações vocês estão fazendo pelo Brasil todo. Em praças. Faz parte, repito, do jogo democrático. Fiquem à vontade”, disse Bolsonaro no vídeo.

Publicidade

Novos bloqueios rodoviários

Enquanto hoje de manhã, a PRF havia registrado seis novos pontos, o número já passou para 13 interdições e 4 bloqueios, segundo o boletim mais recente, divulgado às 14h13. Assim, o número de pontos de interdição e bloqueio é 1.158. 

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, um bloqueio em Goiás causou um pouco de trânsito, porém logo foi liberado. As paralisações atuais ocorrem em Porto Velho (RO), Presidente Médici (RO), Caruaru (PE) e Lucas do Rio Verde (MT).

Publicidade

Contudo, embora o boletim tenha incluído Caruaru na lista, o protesto na BR-232, quilômetro 134, se trata de uma manifestação dos moradores que tiveram serviços de energia e água cortados.


Prisões

Após o resultado das eleições, ministros do STF confirmaram a decisão do ministro Alexandre de Moraes de mandar o desbloqueio das vias no dia 31 de outubro. As ordens seguidas pela PRF e Polícia Militar de cada estado resultaram em alterações com os protestantes. Entre falta de produtos, interrupção de serviços de saúde, desabastecimento, também houveram prisões. 

Ainda conforme a PRF, 49 pessoas foram presas por conta das paralisações. Entre os dias 30 de outubro e 9 de novembro, o maior número de prisões por estado foi de 13 pessoas, em Santa Catarina. Seguido por Mato Grosso do Sul e Espírito Santo, com cinco pessoas detidas em cada um.

Ao todo, 15 estados registraram prisões devido aos bloqueios: Rio Grande do Sul e Minas Gerais, ambas com 4; Pernambuco com 3; Goiás, Maranhão, Rondônia, Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro com 2 detenções em cada; e por último, Mato Grosso, Roraima e Rio Grande do Norte, os três estados tiveram uma pessoa presa.

Congelamento das contas bancárias

O congelamento de 43 contas de pessoas e empresas sob suspeitas de terem financiado os atos antidemocráticos foi mandado na quinta-feira (18) por Moraes. O pedido do ministro será seguido pelo depoimento de todos os nomes presentes na lista à Polícia Federal.

A investigação da PF junto à PRF se aprofunda no envolvimento dos nomes divulgados ontem pelo STF com os atos.

Até o último boletim, a PRF não confirmou a razão dos novos bloqueios e sua relação com os procedentes do dia 30 de outubro.

Publicidade