PIX ultrapassa cartão de crédito, diz Banco Central

Segundo trimestre do ano registra 5,4 bilhões de transações no sistema

Publicidade

Publicidade

As transações por PIX superaram as de cartão de crédito e débito, de acordo com pesquisa do Banco Central. Somente no segundo trimestre, 5,4 bilhões de transferências via PIX foram feitas, diante de 4 bilhões em cartões de crédito e 3,8 bilhões em cartões de débito, realizadas no mesmo período. 

Com um pouco mais de 2 anos de lançamento, o PIX se tornou o método de pagamento mais popular entre os brasileiros, ultrapassando o TED (Transferência Eletrônica Disponível) com meros dois meses de criação, e o cartão de crédito pela primeira vez em janeiro deste ano.
Desde então, o PIX não parou de crescer.

Pagamentos com PIX/Foto: Leo Souza/Estadão

Pagamento via PIX

Publicidade

O PIX é o sistema de pagamento instantâneo criado pelo Banco Central, lançado em meados de novembro de 2020. O aplicativo superou outros métodos tradicionais de pagamento logo no início, desde boleto, DOC (Documento de Crédito) e TED, que já em abril de 2021, com 5 meses no mercado, já havia ultrapassado o número de operações dos três meios somados.  

Foi somente em 2022 que a ferramenta ficou à frente dos cartões de crédito e débito, em janeiro e dezembro deste ano, respectivamente. Porém, isso não foi motivo de  descarte. Desde seu lançamento pelo Banco Central, o PIX chamou atenção e popularidade.

Publicidade

Segundo o levantamento da Febraban (Federação Brasileira de Bancos), em base de dados do Banco Central relativos até o fim do mês passado, as operações instantâneas apresentaram uma alta de 94% entre outubro de 2021 e outubro de 2022. 

Publicidade


Sua popularização se deu, em grande parte, pelo objetivo do meio: transferências instantâneas de pequenas quantidades, ideal para o dia a dia. 

Publicidade

Publicidade

Isaac Sidney, presidente da Febraban explicou o crescimento: “As transações feitas com o PIX continuam em ascensão, revelando a grande aceitação popular do novo meio de pagamento, que trouxe conveniência e facilidades para os clientes em suas transações financeiras do cotidiano”.

Dois anos de sistema

A pesquisa do Banco Central apontou a marca de R$ 1 trilhão em transações feitas em setembro. Já em outubro, a plataforma chegou a 127,8 milhões de pessoas e 10,5 milhões de contas de empresas cadastradas. Isso sem antes completar dois anos.

Publicidade

O uso ganha destaque pela acessibilidade e praticidade que a ferramenta fornece a seus usuários. O sistema de pagamento instantâneo permite que qualquer pessoa com uma conta bancária consiga realizar pagamentos e transferências de modo simples, a qualquer momento, a qualquer lugar. 

Serviço de grande desempenho a comerciantes, vendedores ambulantes, donos de pequenas empresas e outros. O instrumento intuitivo facilita o acesso e manuseio de valores e dados do banco, ao realizar pagamentos evitando a necessidade de aguardar uma série de dias para que os valores sejam descontados ou situados.

Publicidade

Período comum em compras de cartões de crédito.


Praticidade da plataforma 

Acima de ser um meio rápido de transferência, o aplicativo virou o meio de pagamento mais popular pelos brasileiros. Com uma simples leitura de QR Code, o pagamento pode ser efetuado. 

A venda de comerciantes ambulantes disparou diante do método de leitura dos códigos. Ao apontar a câmera do celular ao QR Code do vendedor, o cliente é automaticamente direcionado ao número de PIX e poderá realizar o pagamento, que será instantaneamente concluído. 

Hoje, o PIX já faz parte da realidade do Brasil. A estratégia alavancou o instrumento que contribuiu grandemente a impulsionar o comércio nacional. 

Segundo o estudo do Banco Central, os pagamentos via o sistema corresponderam a 60% de todos os pagamentos do ano passado. Desta forma, também contribui pelo aumento de transações feitas por celulares.

Vale ressaltar que foi o maior responsável pelo crescimento anual da quantidade de transações efetuadas em 2021, assim, apresentou uma alta de 40% do número.

Publicidade