Apple (AAPL34) diversifica investimentos e anuncia patrocínio em show do Super Bowl

Publicidade

Publicidade

A Apple (AAPL34), uma das maiores empresas de tecnologia do mundo, anunciou um novo investimento para difundir cada vez mais as suas marcas. Dessa vez em um acordo para patrocinar o show do intervalo do Super Bowl – a final da NFL (liga de futebol americano dos EUA).

O Halftime Show já ultrapassou a barreira do esporte, e a cada ano que passa tem atraído mais os holofotes para o evento que tem duração média de 15 minutos, mas que costuma apresentar grandes performances.

Publicidade


Visando essa visibilidade, a Apple assinou um contrato para patrocinar o evento por cinco anos com o seu serviço de streaming Apple Music, a partir de 2023 em um investimento que gira em torno de US$ 40 milhões a US$ 50 milhões, mas que não foi confirmado por nenhum dos envolvidos.

Publicidade

Investimento e visibilidade para a Apple

Sendo atualmente o segundo serviço de streaming de música mais popular do mundo, com quase 80 milhões de assinantes, o Apple Music já começa a ganhar forma para competir cada vez mais com o Spotify. 

Publicidade

Apple (AAPL34) diversifica investimentos e anuncia patrocínio em show do Super Bowl
Apple Music terá uma exposição para mais de 100 milhões de pessoas em transmissão /Foto: Reprodução

Nos Estados Unidos, por exemplo, segundo o The Wall Street Journal, o Apple Music ultrapassou recentemente o número de assinantes do streaming de música sueco, chegando a marca de 28 milhões de assinantes em solo norte-americano, contra 26 milhões da concorrente.

A tendência para os próximos anos é aumentar este total de ouvintes na sua plataforma devido a grande exposição que o Apple Music terá a partir de fevereiro de 2023 ao patrocinar o Super Bowl LVII no lugar em que a Pepsi ocupava. 

Publicidade

Publicidade

Portanto, nos próximos cinco anos é esperado que a Apple invista cerca de US$ 250 milhões no evento até 2027. No entanto, de acordo com informações veiculadas nos bastidores da liga de futebol americano, o Apple Music Super Bowl Halftime Show quase teve outro nome.

Outras duas multinacionais possuíam interesse em adquirir os direitos para patrocinar o evento, Amazon e Verizon. Porém, a companhia de tecnologia acabou levando a melhor para estampar a sua marca na atração musical.

Publicidade

O envolvimento da Apple com esportes recentemente tem se tornado cada vez mais comum, principalmente em virtude do seu outro serviço de streaming, o Apple TV+, que conta no seu catálogo com a série original Ted Lasso.

Apple (AAPL34) diversifica investimentos e anuncia patrocínio em show do Super Bowl
Ted Lasso estará presente no FIFA 23 /Foto: Reprodução

A série de televisão ambientada nos gramados de futebol da Inglaterra ganhou destaque no mundo inteiro e se tornou um grande sucesso recentemente, o que a fez conquistar inúmeros prêmios desde 2021. 

Publicidade

E agora, a série que está prestes a ganhar uma terceira temporada irá chegar também aos gramados virtuais. A Apple fechou uma parceria com a EA Sports para levar o AFC Richmond (time da série) e o seu treinador que dá nome a produção, estrelada por Jason Sudeikis, para o novo lançamento da EA, o FIFA 23. Será possível jogar com o time tanto nos modos online como offline e com Ted Lasso a beira do gramado.


Números atrativos

Um dos motivos para justificar o investimento que beira os US$ 250 milhões, são os números que a transmissão do Super Bowl tem registrado nos últimos anos. Considerando apenas números das emissoras norte-americanas e do serviço de streaming Peacock, a última final foi assistida, em média, por cerca de 112 milhões de pessoas.

O número representou para o país, um aumento de 14% com relação ao Super Bowl disputado no ano passado, que atingiu uma média de 96 milhões de pessoas. Além disso, a NFL também conseguiu esgotar para a partida todas as cotas de publicidade onde transmitiu o jogo.

Logo, a Apple poderá explorar novos caminhos nesses próximos cinco anos em que patrocinará uma das atrações musicais mais esperadas todo ano nos Estados Unidos.

Publicidade