Na ONU, presidente de El Salvador pede que vizinhos ricos deixem o país do Bitcoin em paz

Publicidade

Publicidade

Enquanto o presidente Jair Bolsonaro usou seu discurso na ONU para fazer campanha política, o presidente de El Salvador aproveitou para defender o Bitcoin (BTC). Em seu discurso, Nayib Bukele criticou os que tentam interferir em seu projeto de “país do Bitcoin”.

Ele criticou sobretudo as potências mundiais e as classificou como “poderosas”, que ignoram o direito de seu país de ser livre, independente e soberano. Além disso, o chefe de estado defendeu que a nação tem o direito de incentivar o promover o uso de Bitcoin.

Publicidade


“A liberdade é algo pelo qual ainda lutamos em nosso país. Enquanto somos livres, soberanos e independentes no papel, não seremos de fato até que os poderosos entendam que queremos ser seus amigos. Que nossas portas estejam abertas para construir as melhores relações (…), O requisito essencial é que os poderosos respeitem a nossa liberdade”, afirmou.

Publicidade

Ainda segundo Bukele, El Salvador deixou de ter a marca da insegurança e das gangues. Agora, a nação tem a marca do Bitcoin, da tecnologia, da inovação e da beleza natural.

Publicidade

El Salvador

O Bitcoin é uma moeda de curso legal em El Salvador desde setembro de 2021. Isso foi possível pela aprovação da Lei Bitcoin, que o próprio Bukele promoveu no Parlamento naquele ano.

Desde então, Bukele comprou mais de 2.000 BTC com o dinheiro do país. No entanto, seu governo não informa de forma transparente o paradeiro desses ativos.

Publicidade

Publicidade

Até agora, não se sabe quem tem a custódia desses Bitcoins, que fazem parte do tesouro nacional salvadorenho.

Especialistas especulam que os BTC de El Salvador são armazenados por uma empresa com sede nos Estados Unidos.

Publicidade


Nesse caso, o país da América Central correria o risco de perder as suas participações em Bitcoin se o governo dos EUA ordenasse a apreensão desses fundos.

Publicidade

Além disso, Bukele sofre várias críticas do Fundo Monetário Internacional (FMI) e do Banco Mundial por sua decisão “pró-BTC”.

Algumas dessas instituições alertaram, por exemplo, que o país da América Central está à beira de uma crise que pode ameaçar o sistema financeiro devido à sua Lei Bitcoin. Essas advertências são rejeitadas pelo governo salvadorenho.

Publicidade

O melhor conteúdo de negócios e economia no Brasil, de graça para você.

Cadastre-se para ter acesso a este conteúdo, é totalmente de graça!

Ao se cadastrar, você concorda com o compartilhamento de seus dados com a Estoa, e com os Termos de Uso , incluindo o uso de cookies e o envio de comunicações