Lula deve anunciar lista de ministros no dia 13 de dezembro

Principais nomes da lista de ministros serão anunciados após diplomação do presidente eleito

Publicidade

Publicidade

A equipe do presidente eleito Luiz Inácio Lula da Silva (PT) deve anunciar os principais nomes da lista de ministros do novo governo na próxima terça-feira (13), em seguida da cerimônia de diplomação.

Na última sexta-feira (2), Lula disse em uma coletiva de imprensa no Gabinete de Transição que 80% da lista já estava definida e seria divulgada somente após ser diplomado pelo TSE (Tribunal Superior Eleitoral), no dia 12 de dezembro.

Anúncio

Publicidade

“Vou ser diplomado no dia 12 [de dezembro]. Depois que for diplomado, depois que for presidente da República reconhecido, começo a escolher o meu ministério. Não precisa ninguém ficar angustiado, nervoso, criando expectativa porque eu, no fundo, já tenho 80% do ministério na cabeça”, disse o presidente eleito na última sexta. 

“Mas não quero construir um ministério para mim, mas junto com as forças políticas que nos ajudaram a vencer a eleição.”

Publicidade

Contudo, alguns nomes já estão sendo tratados como ministros, só aguardando a oficialização. Entre eles, estão o ex-ministro da Educação, Fernando Haddad (PT), cotado para Fazenda; a senadora Simone Tebet (MDB-MS), cotada para o Desenvolvimento Social; e o ex-ministro do TCU (Tribunal de Contas da União), José Múcio, para a Defesa.

Publicidade


Lista de cotados

Acima da Fazenda, Defesa e Desenvolvimento Social, o anúncio deve conter o senador eleito Flávio Dino (PSB-MA) para o Ministério da Justiça e Segurança Pública; o governador da Bahia, Rui Costa (PT), para Casa Civil, embora também seja cotado para assumir a presidência da Petrobras; o ex-ministro das Relações Exteriores, Mauro Vieira, para o Itamaraty; e o deputado Alexandre Padilha (PT-SP) para Relações Institucionais.

Publicidade

Publicidade

O presidente eleito também prometeu mais dez ministérios, sendo três deles inéditos. 

Meio Ambiente

Para a pasta do Meio Ambiente, a ex-ministra Marina Silva (Rede-SP) é o principal nome. Porém, a senadora, que já assumiu o Ministério entre 2003 e 2008, durante o governo Lula, é cotada juntamente à ex-ministra sucessora do cargo, Izabella Teixeira. 

Publicidade

Teixeira assumiu a pasta durante os governos Lula e Dilma, entre 2010 e 2016.

Lula (PT), Simone Tebet (MDB) e Marina Silva (Rede)/Foto: Folha de S. Paulo

Educação

Embora não esteja entre os favoritos, a senadora Simone Tebet afirmou sua prioridade de assumir o Ministério. Entretanto, nenhum nome está crescendo para a pasta. O ex-ministro da Educação, Fernando Haddad, não deseja voltar ao cargo.

Publicidade

Cidadania

Já o Ministério em que a senadora é cotada é da Cidadania (Desenvolvimento Social), visto que foi indicada como coordenadora de Desenvolvimento Social no grupo de transição. A ex-candidata Simone Tebet deve assumir o cargo, apesar de ser um nome especulado para a pasta de Agricultura.

Agricultura

Entre os maiores nomes na lista da Agricultura, estão Neri Geller (PP), ex-ministro do governo Dilma, e Blairo Maggi (PP), ex-ministro do governo Michel Temer. O ex-ministro da Agricultura do governo Lula, Roberto Rodrigues, e o senador Carlos Fávaro (PSD-MT) são outros nomes na lista.


Planejamento

O principal nome para Planejamento é um dos fundadores do Plano Real, Persio Arida, cotado junto a Haddad em um esquema de “dobradinha” a fim de agradar o mercado financeiro, que rejeita o petista para uma pasta na economia. Integrante do grupo de transição, o economista, ex-presidente do BNDES e do Banco Central é o maior nome para o Ministério do Planejamento, Orçamento e Gestão. 

Povos Originários

Para o novo Ministério proposto por Lula, durante a COP27, o principal  nome é a indigenista e deputada federal eleita Sônia Guajajara. O membro da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), Beto Marubo, também é cotado.

Esportes

Membro da equipe de Esportes de transição do novo governo, o ex-jogador de futebol Rai é o principal nome. O ex-futebolista é irmão do falecido jogador Sócrates.

Relações Exteriores

Além da Fazenda, o ex-prefeito de São Paulo, Fernando Haddad, está estipulado para assumir o Ministério das Relações Exteriores, como um plano alternativo se ele não ficar com a Fazenda. Haddad acompanhou Lula na COP27, no Egito, onde se reuniu com diversos líderes mundiais. 

O diplomata Mauro Vieira e o ex-ministro da Educação, Ciência, Tecnologia e Inovação e da Casa Civil do governo Dilma Rousseff, Aloizio Mercadante, são outros nomes cotados.

Publicidade