Ibovespa opera em alta após confirmação de Haddad na Fazenda, seguido pela eliminação do Brasil nas quartas de final

Vale (VALE3) apresenta o maior peso na composição da alta do Ibovespa

Publicidade

Publicidade

Nesta sexta-feira (09), o Ibovespa, principal índice da bolsa de valores brasileira, a B3, opera em alta após o anúncio de Fernando Haddad como ministro da Fazenda do governo de Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Às 15h06, o índice avançava 0,74%, a 108.042 pontos, seguido pela derrota do Brasil contra a Croácia.

As ações que impulsionam o bom desempenho da bolsa neste pregão são as de empresas exportadoras de minério de ferro, com destaque para a Vale (VALE3), apresentando o maior peso na composição do Ibovespa. No mesmo horário, os papéis da mineradora tinham alta de 2,65%.

Publicidade

Ontem, o Ibovespa caiu 1,67%, a 107.249 pontos. Com o resultado, o índice acumula queda de 4,18% na semana e de 4,66% no mês, também repercutindo o impacto da PEC da Transição nas contas públicas e a trajetória da Selic. 

“O mercado tem reagido negativamente nas últimas semanas, tentando precificar Haddad como o nome que ocupará a pasta. O movimento vem em linha com a ideia de que o mercado tende a preferir para o cargo pessoas mais alinhadas ao liberalismo econômico, menor influência do estado, e pessoas com perfil mais técnico e não perfil político com foco em assistencialismo”, avalia Sidney Lima, analista da Top Gain.

Publicidade


Publicidade

Ministério da fazenda

Neste momento, o cenário político tem suas atenções voltadas para o anúncio dos primeiros ministros escolhidos pelo presidente eleito, Lula, que aconteceu no final da manhã desta sexta. O nome mais esperado pelo mercado era o do próximo responsável por assumir o Ministério da Fazenda, cargo que será dirigido por Fernando Haddad. 

Após a confirmação do nome para o ministério, Haddad disse aos jornalistas: “Para quem teme um ministro gastador, olha o investimento grande da prefeitura de São Paulo”. “Se você não olhar para a trajetória da pessoa, você vai cair em fake news. Para que mais fake news?”

Publicidade

Publicidade

O futuro ministro concorreu pelo Partido dos Trabalhadores (PT) ao governo de São Paulo nas eleições deste ano, onde foi derrotado por Tarcisio Freitas, candidato do Republicanos, ex-ministro de infraestrutura. 

Antes disso, ele já havia concorrido à presidência da República em 2018, onde perdeu para o atual presidente, Jair Bolsonaro. Haddad foi ministro da Educação entre, 2005 e 2012, e prefeito do município de São Paulo de 2013 a 2016.

Publicidade

Fernando Haddad, de 59 anos, é nascido na cidade de São Paulo (SP), formado em Direito pela Universidade de São Paulo (USP), se especializou em Direito Civil e fez mestrado em economia e doutorado em filosofia pela mesma universidade.

A pasta do Ministério da Fazenda será criada a partir do desmembramento do atual Ministério da Economia – que também dará origem às pastas de Desenvolvimento, Indústria e Comércio Exterior (MDIC) e de Planejamento, Orçamento e Gestão.

Publicidade

Lula divulga nomes para os demais ministérios/Foto: Reprodução

Ministérios do governo Lula

Lula também anunciou os nomes para ocupar outros quatro ministérios:

• Casa Civil: Rui Costa, governador da Bahia; 

• Defesa: José Múcio Monteiro, ex-deputado e ex-ministro do Tribunal de Contas da União;

• Justiça: Flávio Dino, ex-governador do Maranhão e senador eleito; 

• Relações Exteriores: Mauro Vieira, diplomata e ex-chanceler. 


Ministério do Planejamento

Com relação ao futuro ministro do planejamento do seu governo, Lula disse que precisará ser alguém “afinado” com o ministério da Fazenda.

Diante da torcida do mercado para que o nome do Planejamento possa ser mais técnico, para equilibrar a escolha de Haddad na Fazenda, visto com mais desconfiança pelos investidores, Lula foi evasivo ao ser questionado sobre o assunto em entrevista à imprensa. 

“O perfil do Ministério do Planejamento será um perfil de um cara que esteja apto para cuidar do ministério do Planejamento, do Orçamento e que seja um ministro bastante afinado com o Ministério da Fazenda”, ressaltou.

Publicidade