Gilmar sobre precatórios: ocorreu jogo de desinformação, não houve acompanhamento

Publicidade

Publicidade

O ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes, decano da Corte, afirmou nesta segunda-feira, 21, durante o Broadcast Live, que o pagamento dos precatórios, valores devidos a empresas e pessoas físicas após sentença definitiva na Justiça, programados para 2022, representou “um jogo de desinformação” e falta de acompanhamento por parte do Executivo. “Ocorreu um jogo de desinformação e não houve o devido acompanhamento desses processos, que já estavam decididos no próprio STJ, e o governo apresentou esse grau de surpresa”, afirmou.

O decano disse ainda que se surpreendeu com a surpresa alegada pelo ministro da Economia Paulo Guedes em relação à dívida.

Publicidade

Ele relembrou que a Lei de Responsabilidade Fiscal (LRF) determina que haja acompanhamento das dívidas que se formam ao longo dos anos. “Aqui me parece que, talvez, considerando que os credores eram Estados, e que são também devedores da União, se nós estivéssemos vivendo momento de maior racionalidade política, teria sido feito um encontro de contas”, avaliou.

Ele ponderou que o “gigantismo” do Ministério da Economia, que acumulou funções de outros ministérios desde o início do governo, pode ter causado esse rombo fiscal. “Se tivesse Ministério do Planejamento cuidando dessa questão e organizando o Orçamento, cuidando das dívidas, talvez isso não teria ocorrido”, completou o ministro.

Publicidade

Em janeiro deste ano, o presidente da República, Jair Bolsonaro, editou um decreto determinando que atos relacionados à gestão do Orçamento público terão de ter aval prévio da Casa Civil.

Publicidade

*Com Estadão Conteúdo

Publicidade

O melhor conteúdo de negócios e economia no Brasil, de graça para você.

Cadastre-se para ter acesso a este conteúdo, é totalmente de graça!

Ao se cadastrar, você concorda com o compartilhamento de seus dados com a Estoa, e com os Termos de Uso , incluindo o uso de cookies e o envio de comunicações