Eleições de meio de mandato começam nos Estados Unidos

Nesta terça-feira, os americanos irão decidir qual partido controlará o Congresso

Publicidade

Publicidade

Nesta terça-feira (8), os americanos irão às urnas para as eleições de meio de mandato, chamadas de “midterm elections”.

Elas irão decidir qual partido tomará conta do Congresso dos Estados Unidos e definirão o nível de poder do presidente norte-americano, Joe Biden, pelos próximos dois anos.

Eleições de meio de mandato

Publicidade

As votações se iniciaram às 6 horas, 8 horas no Horário de Brasília, quando as primeiras assembleias de voto dos Estados Unidos foram abertas. No entanto, cerca de 40 milhões de eleitores já haviam votado antecipadamente.

Além da renovação do Congresso, com a substituição de todas as 435 cadeiras da Câmara de Representantes, as eleições também têm como objetivo trocar 35 das 100 vagas do Senado do país e eleger governadores em 36 estados e três territórios dos EUA.

Publicidade

Dessa forma, a disputa entre os partidos Democrata, de Joe Biden, e Republicano, de Donald Trump, deve definir o nível de governabilidade do atual presidente norte-americano pelos próximos dois anos.

Publicidade

Joe Biden é o atual presidente dos Estados Unidos/Foto: VEJA

Isso pois, atualmente, 220 das cadeiras da Câmara pertencem ao partido de Biden, fazendo com que o partido do atual presidente comande o Capitólio. Os Republicanos, por sua vez, detêm 212 assentos.

Os outros três estão desocupados por conta de morte ou renúncia dos congressistas.

Publicidade

Publicidade

Historicamente, as eleições de meio de mandato são desfavoráveis para o partido que comanda a Câmara.

Assim, de acordo com pesquisas recentes, a tendência é de que o partido Republicado assuma o controle do Congresso.

Publicidade

Sobre a governança do Senado, de acordo com a mídia norte-americana, não há uma tendência clara de quem irá se sobressair nas eleições.


Publicidade

Apesar de estarem divididos de forma igualitária entre os dois partidos — 50 assentos para os Republicanos e 50 para os Democratas —, a decisão é feita através do vice-presidente dos Estados Unidos, que também atua como presidente do Senado.

Dentre os diferentes temas considerados pelos norte-americanos para guiar seus votos, a alta inflação dos Estados Unidos é a principal. 

Para os Republicanos, a culpa da recorrente alta dos preços é de Joe Biden, fazendo com que o partido veja essa como uma oportunidade de reassumir o controle do país.

Donald Trump, principal expoente do partido, se manifestou sobre as eleições de meio de mandato, afirmando que “Se você deseja um fim à destruição do nosso país e salvar o sonho americano, deve votar nos republicanos.”

A fala foi dita pelo ex-presidente dos Estados Unidos em um comício em Ohio, na última segunda-feira (7).

Donald Trump/Foto: Reprodução

Além disso, Trump também afirmou que fará “um grande anúncio” na próxima terça-feira, dia 15 de novembro.

Ainda nesta segunda-feira, o atual presidente norte-americano também se manifestou sobre as eleições desta terça-feira. De acordo com Biden, a democracia dos Estados Unidos “está em perigo”.


A fala também foi dada em um comício nesta segunda-feira, por sua vez, ocorrido em Maryland.

 Ações sobem

O clima das eleições de meio de mandato norte-americanas geraram reflexos positivos nas Bolsas de Valores dos Estados Unidos.

Em Nova York, na NYSE, o índice Dow Jones Industrial Average operava com uma alta de 1,50% por volta das 15:00 horas (Horário de Brasília), aos 33.317,85 pontos.

O medidor S&P 500, também da Bolsa de Valores de Nova York, também teve altas nesta segunda-feira, atingindo um crescimento de 1,25% também por volta das 15:00, se estabelecendo aos 3.854,20 pontos.

Na bolsa NASDAQ, o índice Nasdaq Composite somava uma alta de 1,46%, com uma pontuação de 10.719,26 também por volta das 15:00 horas.

O dólar, por sua vez, apresenta quedas no dia das midterm elections, com uma desvalorização 0,20% e estando cotado a R$ 5,14 por volta das 15:10 horas.

Publicidade