Confira as 5 principais notícias que movimentam o mercado nesta quinta-feira

PIB do Brasil, inflação dos Estados Unidos e plano de investimento da Petrobras são destaques

Publicidade

Publicidade

A manhã desta quinta-feira (1), iniciou com o mercado movimentado no Brasil e no exterior sob a expectativa para o PIB brasileiro do terceiro trimestre que foi divulgado nesta manhã. As projeções feitas por analistas davam conta de que o país teria mais um crescimento econômico, o quinto seguido, desta vez de 0,7%, o que representaria um aumento de 3,7% com relação à mesma época do ano passado.

O indicador divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta manhã, no entanto, apontou uma desaceleração do crescimento trimestral, ficando em 0,4%, abaixo das expectativas do mercado. Com isso, na comparação anual o PIB brasileiro teve um crescimento de 3,6%. De acordo com as projeções feitas semanalmente e divulgadas no Boletim Focus, o PIB deve encerrar 2022 com uma alta de 2,81%.

Publicidade


2. Bolsonaro manda suspender dinheiro do orçamento secreto

Nesta quarta-feira, o presidente Jair Bolsonaro enviou um projeto de lei ao Congresso para suspender o dinheiro do orçamento secreto. A PL enviada por Bolsonaro tem como objetivo alterar o Orçamento de 2022, além de permitir o cancelamento das emendas de comissões e de relator.

Publicidade

A atitude do atual presidente dificultará a vida do presidente da Câmara, Arthur Lira, que não conseguirá cumprir com acordos feitos para bancar a sua reeleição. A medida ocorre um dia depois do PT e outros partidos aliados terem anunciado publicamente o apoio à candidatura de Lira para presidir mais uma vez a Casa.

Publicidade

3. Presidente do Fed fala sobre a inflação dos EUA

No exterior, o mercado também está atento às movimentações feitas pelo Federal Reserve (Fed). Nesta quarta-feira, o presidente da instituição, Jerome Powell discursou a respeito da inflação em um evento nos Estados Unidos, além disso abordou os prováveis novos aumentos da taxa de juros norte-americana. O presidente do banco central verbalizou o cenário mais brando que a última ata da reunião do FOMC (Comitê Federal de Mercado Aberto) já havia sinalizado.

De acordo com Powell, é possível que a partir de dezembro o ritmo de alta dos juros comece a desacelerar no país. No entanto, ele alertou para a necessidade da manutenção da taxa de juros em um patamar mais alto como forma de conter os avanços da inflação que passou boa parte do ano acima dos 8% e assim trazê-la para perto da meta de 2%.

Publicidade

Publicidade

Confira as 5 principais notícias que movimentam o mercado nesta quinta-feira
Petrobras divulgou plano de investimento até 2027 /Foto: Reprodução

4. Petrobras divulga plano de investimento

Na noite da última quarta-feira, o Conselho de Administração da Petrobras aprovou o plano de investimento da estatal para os próximos cinco anos. Segundo o comunicado emitido pela petrolífera, o volume de investimentos irá aumentar significativamente durante o período de 2023 a 2027.

No total, com relação ao plano dos últimos anos, a Petrobras terá um aumento de 15%, subindo para US$ 78 bilhões. A companhia também deu detalhes sobre a divisão que será feita nesses investimentos. Cerca de 83% desse dinheiro terá como destino a exploração e produção (E&P), tendo como foco o pré-sal, 12% para refino, gás e energia e os outros 5% ficarão divididos entre comercialização, logística e segmento corporativo. Outros US$ 20 bilhões serão destinados para o afretamento de novas plataformas.

Publicidade

5. Dívida pública bruta cai para menor nível desde pré-pandemia

Segundo dados divulgados nesta quarta-feira pelo Banco Central, a dívida pública bruta caiu para 76,8% em outubro, contra 77,1% do mês anterior, em relação ao PIB (Produto Interno Bruto), mantendo a sua queda contínua. Ao mesmo tempo em que, em valores, a dívida passou de R$ 7,262 trilhões para R$ 7,298 trilhões.

De acordo com o departamento de estatísticas do Banco Central, a redução do índice na comparação com o PIB foi apontada pelo crescimento do PIB nominal e se consolidou como  a menor desde fevereiro de 2020 (75,3%), ainda no período pré-pandemia de Covid-19.

Publicidade

Publicidade