Confira as 5 principais notícias do Brasil e do mundo nesta terça-feira

Dia começa com preocupação por greve e expectativa por decisão no exterior

Publicidade

Publicidade

As notícias da manhã desta terça-feira (1), ainda traz reflexos da eleição presidencial ocorrida no último domingo e que elegeu o candidato Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Apesar do resultado das urnas, caminhoneiros estão fazendo protestos por todo o país e causando paralisação em estradas e rodovias.

Cerca de 20 estados continuam com bloqueios e medidas para dispersar os grupos já vêm sendo tomadas. A mais recente veio do STF (Supremo Tribunal Federal), que referendou a decisão do Ministro da Justiça, Alexandre de Moraes, determinando que a Polícia Rodoviária Federal comece a eliminar os bloqueios por todo o país. Em um eventual descumprimento, será aplicada multa de R$ 100 mil ao diretor-geral da PRF, Silvinei Vasques.

Publicidade


2. Dólar tem a maior queda em um mês após eleição

Um dia após a definição do novo presidente do Brasil, o dólar iniciou a segunda-feira em alta, chegando a se valorizar para o seu maior patamar desde o fim de setembro, sendo negociado a R$ 5,40. No entanto, no decorrer do dia esse cenário mudou e o desempenho do Real se sobressaiu.

Publicidade

A queda de 2,54% do dólar, fechando o dia sendo negociado a R$ 5,16, foi a maior queda da moeda norte-americana frente a moeda brasileira desde o início de outubro, quando ocorreu o primeiro turno. O resultado faz com que o Real tenha o melhor desempenho entre as principais moedas do mundo.

Publicidade

3. Expectativa para decisão do Fed

Às vésperas de mais uma decisão do Federal Reserve, os Estados Unidos vivem a expectativa para a definição da taxa de juros do país, que pela quarta vez seguida deve enfrentar mais uma alta. O mercado estima que o aumento será de 0,75 ponto percentual.

Com a provável decisão, o aumento da taxa de juros levará o índice para a casa dos 3,75% a 4%. No último mês do ano, no entanto, a expectativa é de que ainda haja um aumento de juros, mas em um nível mais moderado de 0,5 ponto percentual.

Publicidade

Publicidade

4. Ibovespa fecha em alta após forte queda em abertura

Como reflexo do resultado das eleições e a queda das ações das principais estatais brasileiras, como a Petrobras, a primeira abertura após a definição de Lula como novo presidente marcou uma queda de 2% no Ibovespa logo no início da manhã.

Porém, no decorrer do dia o índice foi se recuperando sob as expectativas com relação ao plano econômico do novo governo e o Ibovespa encerrou o pregão com uma alta de 1,31%, chegando aos 116 mil pontos. Petrobras (PETR4) e Banco do Brasil (BBAS3) fecharam em queda.

Publicidade

5. Ata do Copom traz previsão de inflação para 2023 

Nesta quarta-feira, o Banco Central divulgou a ata da última reunião do Copom, que ocorreu na semana passada. O documento trouxe as previsões para o IPCA de 2022, 2023 e 2024. A estimativa do BC é de que neste ano a inflação fique na casa dos 5,8%, acima do teto da inflação.

A projeção para 2023 trouxe pela primeira vez a possibilidade da inflação ficar acima da margem de tolerância. A estimativa é de que o IPCA fique em 4,8%, superior ao limite de 4,75% previsto anteriormente, o que marcaria o terceiro ano consecutivo acima da inflação. Em 2024, a projeção é de 2,9%.

Publicidade

Publicidade