Quando o Bear Market chegará ao seu fim?

Publicidade

Publicidade

Os investidores parecem estar sem direção definida após a terceira alta consecutiva da taxa de juros do Federal Reserve de 75 pontos-base, combinada com sua previsão agressiva de ter mais altas nos próximos meses.

Enquanto isso, sinais conflitantes de dados econômicos estão aumentando a incerteza dos investidores. Por um lado, indicadores antecedentes, como as curvas de juros do Tesouro, sugerem a crescente probabilidade de uma recessão no próximo ano. 

Publicidade


Fatores que impactam o bear market

As curvas de rendimento invertidas, que ocorrem quando a dívida de longo prazo têm rendimentos mais baixos do que a dívida de curto prazo, indicam que os investidores de títulos estão pessimistas porque esperam que as taxas de juros de longo prazo caiam, o que geralmente está associado à recessão. Por exemplo, a curva de 2 anos/30 anos é a mais invertida desde 2000, com rendimentos do Tesouro de 2 anos 51 pontos base acima dos rendimentos do Tesouro de 30 anos. 

Publicidade

Por outro lado, no entanto, indicadores como vendas no varejo, indicadores de atividade manufatureira e dados do mercado de trabalho, sugerem uma forte resiliência nos resultados do terceiro trimestre e uma retomada do crescimento econômico. 

Publicidade

Aqueles que investem em ações podem estar subestimando os indicadores antecedentes, ao mesmo tempo em que colocam muito peso nos indicadores atrasados. Analistas acreditam que esse mercado em baixa está longe de terminar e recomenda que os investidores considerem três dinâmicas principais:

  • A determinação do Fed: o banco central dos EUA está em um de seus caminhos de aperto mais agressivos; nunca aumentou as taxas tão rapidamente em um período de nove meses. Mas nos últimos anos, os investidores se acostumaram com taxas muito baixas e um tom muito dovish por parte do Fed, o que fez com que desta vez subestimassem o tom mais “hawkish” do banco central para o aumento dos juros. O chairman então teve que reiterar seu discurso por meio de uma forte retórica e previsões agressivas e pessimistas.
  • A persistência do núcleo de inflação: O índice de preços ao consumidor aumentou 8,3% em agosto na comparação anual, uma ligeira desaceleração em relação aos 8,5% observados em julho, em parte devido à queda nos preços das commodities. E a leitura de setembro, conforme projetada pelo Federal Reserve Bank de Cleveland, pode cair para 8,1%. Mas o núcleo da inflação – o foco particular do Fed – foi mais alto do que o esperado e não deve diminuir tão cedo, dadas as fortes pressões de preços vindas do lado dos serviços, como salários e aluguéis, que tendem a mudar lentamente. Se o núcleo da inflação permanecer mais alto, o mesmo acontecerá com as taxas de juros.
  • Atrasos na política: O impacto da política monetária na economia e nos lucros das empresas vem com longos atrasos. Os níveis atuais de crescimento do produto interno bruto nacional e, por sua vez, os lucros das empresas no terceiro trimestre refletem onde as taxas de juros e as condições financeiras estavam nove a 12 meses atrás. Isso significa que os investidores podem estar tendo uma falsa sensação de segurança de qualquer potencial de lucro que eles veem nas ações hoje.

Resumindo, os caminhos para as taxas de juros, inflação e lucratividade corporativa permanecem incertos. 

Publicidade

Publicidade

Eles devem ser cautelosos ao investir em ações de longa duração ou orientadas para o crescimento, que atualmente podem não oferecer uma compensação justa pelos riscos de aumento das taxas, enfraquecimento da alavancagem operacional e do dólar americano forte. Qualquer recuperação do mercado em baixa que possa ocorrer no quarto trimestre sazonalmente forte deve ser usada para reequilibrar carteiras e colher perdas fiscais.

-Flávia Davoli

Publicidade

*As opiniões do colunista não refletem necessariamente a posição da Estoa.

Publicidade