Orgulho e mercado financeiro, uma combinação perigosa

Publicidade

Publicidade

Olá Amigo e leitor investidor! Estamos passando por um momento de decisão na economia por um todo: Definições de taxa de juros EUA, Eleições Brasil, Guerra na Ucrânia e a Inflação Global como destaques. Isso tudo gera consequentemente volatilidade e mudanças no sentimento do mercado e das análises. Reversões em cenários planejados, faz que o que foi planejado saia do rumo e essa é a hora de aceitar que não foi dessa vez e assumir possíveis perdas. A questão é: Como vencer o Orgulho?

Creio que a maioria dos amigos leitores já sabem o quanto o mercado é formado de sentimento, e de fato, as melhores oportunidades são justamente quando o mercado está “sentimental”. Porém também nestes momentos são onde ocorrem as maiores perdas, e a ausência de stop-loss motivada pelo orgulho de acha que está certo e o mercado que está errado, é o que leva o investidor para a lama.

Publicidade

A base de qualquer investidor deve ser sustentada em três pilares:

Análise / Técnica – Pode ser tanto as escolas fundamentalista ou técnica.  A questão é seguir um modelo que o investidor entende e aplica já há algum tempo. Jamais deve envolver sentimentos e achismos, aqui é 100% dados e fatos;

Publicidade

Gerenciamento de Risco – Essencial para a sobrevivência do investidor e também para verificar se vale o risco operar naquele momento o ativo.  Também não tem algum “feeling” aqui, é baseado em números;

Publicidade

Emocional – Esse sem dúvida é o pilar onde muitos não conseguem se sustentar. É claro que a experiência e o tempo de prática, leva a criarmos intuições que são positivas e devem ser levadas em conta, porém a parte emocional sempre irá pesar quando os outros 2 pilares não estiverem consolidados.

Toda vez que o investidor não seguir os pilares de sua análise e de seu gerenciamento de risco, haverá uma “quebra de confiança” em seu método e isso irá refletir em suas decisões e principalmente em seus investimentos.

Publicidade

Publicidade

A questão fundamental é que não importa se está certo ou errado, e sim o quanto podemos tomar risco sem fugir do que planejei (3 pilares)? É nesse momento que o investidor deixa o orgulho falar mais alto e começa a virar um “torcedor” de seu investimento já não conseguindo atuar como profissional.


Publicidade

Fatores relacionados ao orgulho

Destaco os principais fatores que irão levar o investidor a tomar uma decisão irracional motivada por sentimentos iguais ou parecidos ao orgulho:

Alavancagem – Essa sem dúvida é a campeã em incinerar o patrimônio! A utilização de alavancagem deve ser feita de forma consciente e dentro dos 3 pilares. Segue um artigo exclusivo sobre alavancagem.

Publicidade

Retornos passados não são garantia de retornos futuros – Essa frase é escrita em qualquer lâmina ou disclaimer de fundo e análises, porém mesmo que repetida 1000x alguns ainda não a compreenderam! Você não irá acertar todas! Pare de ficar se baseando em seu histórico de performance para manter uma posição que a sua própria metodologia já indica como está errada e precisa sair.

Overtrading – Quanto mais você estudar e entender todos os conceitos macroeconômicos, ativos, a análise que utiliza e tudo que envolve o mercado financeiro, melhor você com certeza será. Entretanto, isso não vale para o quanto mais você comprar o vender melhor irá ficar. Tome muito cuidado com o Overtrading.

Humildade – Creio que pior do que o orgulho é a falta de humildade. Destaco ela, pois sem dúvida, qualquer pessoa de qualquer ramo, não irá conseguir sozinha vencer. Você precisa buscar profissionais para modelar, parar de menosprezar opiniões de quem tem vivência e principalmente aceitar ser corrigido e mudar o que até então você achava que era o suficiente.

Espero que consigam colocar em prática o que foi mencionado e uma última dica.

Caso estiverem com algum problema para tomar decisão seja no mercado financeiro ou em qualquer área, lembrem da pessoa que vocês mais admiram no ramo e reflitam:

“O que ele faria em meu lugar”

Até a próxima!

Wano Carvalho

CNPI – T / CEA

*As opiniões do colunista não refletem necessariamente a posição da Estoa.

Publicidade