Os fatores de estresse no mercado de títulos

Publicidade

Publicidade

Os títulos dos EUA estiveram sob muito estresse este ano, com os preços caindo e os rendimentos subindo. Com o Federal Reserve aumentando as taxas de juros para permanecer na sua trilha de aperto de política monetária, os Treasuries viram crises de vendas que impulsionaram os rendimentos.

Considere que o rendimento do Tesouro de 2 anos atingiu 4,22% recentemente, seu nível mais alto desde 2007, e o rendimento de referência de 10 anos chegou a 4%, o maior desde 2010.

Publicidade

Os nervos à flor da pele em todo o mundo. Por exemplo:

• O Japão recentemente interveio para reforçar o iene, mantendo as taxas de juros ultra baixas, depois que a moeda caiu para uma baixa de 24 anos em relação ao dólar americano.

Publicidade

• No Reino Unido, o estímulo surpresa da política fiscal – incluindo cortes de impostos que mais tarde foram parcialmente revertidos – foi visto como contrariando o aperto monetário do Banco da Inglaterra, provocando uma liquidação nos mercados globais de dívida soberana e levando a libra a um nível mais baixo de todos os tempos em relação aos o dólar americano na semana passada. 

Publicidade

Tais eventos ajudaram a levar o indicador de volatilidade do mercado de títulos, conhecido como Índice MOVE, à segunda leitura mais alta de sua história, superado apenas pelos picos durante a crise financeira global de 2008.

Embora essa volatilidade possa ser difícil de suportar, analistas veem um potencial lado positivo: os últimos movimentos podem estar empurrando os títulos para mais perto de um mercado em baixa.

Publicidade

Publicidade


E se você está pensando em voltar ao mercado ou tem dinheiro em excesso para implantar, os títulos podem ser um bom lugar para começar.

Publicidade

Títulos

Além dos títulos do Tesouro de curto prazo que oferecem bons rendimentos, há uma oportunidade em títulos corporativos de grau de investimento de curta duração dos EUA. Aqui está o porquê: 

• Os rendimentos nominais, em torno de 5,6%, são os mais altos em uma década.

Publicidade

• A alavancagem geral – uma medida do endividamento das empresas – também é razoável em 2,3, bem abaixo do pico da era COVID de 2,9 no segundo trimestre de 2020 e ligeiramente abaixo da média de 2,4 de 2009-2019.

• Por fim, muitos emissores de dívida com grau de investimento já travaram taxas historicamente baixas, e a atividade de refinanciamento adicional deverá ser modesta nos próximos 18 meses.

Devemos observar que o “processo de fundo” de um mercado em baixa pode ser diferente para títulos e ações.

Normalmente, em um mercado em baixa cíclico, orientado por políticas, como o atual, as ações passam por duas fases: primeiro, um ajuste dos múltiplos de avaliação, que acreditamos ter visto, e depois um rebaixamento dos lucros, que está em andamento.

Os títulos, por outro lado, normalmente têm um processo mais linear, no qual as taxas de juros se ajustam rapidamente ao seu destino final. Essas dinâmicas nos sugerem que os títulos podem estar mais próximos de um fundo do que as ações.

-Flávia Davoli

*As opiniões do colunista não refletem necessariamente a posição da Estoa.

Publicidade