Como começar a investir do jeito certo?

Publicidade

Publicidade

É bem comum encontrar pessoas que têm medo de investir, que até conseguem fazer o “mais difícil” (no caso aqui, poupar), mas acabam deixando seu dinheiro na caderneta de poupança ou algum outro investimento “ruim, mas seguro e prático” por conta de não saber como começar. 

O medo e a insegurança no mundo dos investimentos vêm do desconhecido, por isso, é fundamental adquirirmos conhecimento antes de começarmos a investir e não perdermos dinheiro.

Publicidade


Para falar de investimentos, gosto muito de usar o trecho de uma música da banda Charlie Brown Junior que, a depender da época que nasceu, muito provavelmente, você já ouviu, especialmente se é da geração Y: “Nem tão complicado demais, mas nem tão simples assim”, porque define bem o MUNDO REAL dos investimentos e é sobre ele que vamos falar neste artigo!

Publicidade

Penso que tão importante quanto saber o que fazer, é saber também o que não fazer, por isso vamos começar com o “Como não fazer”. 

Publicidade

Como NÃO investir?

  • Com base em opiniões e recomendações aleatórias, como, por exemplo, amigos (principalmente os que nem são do mercado financeiro), “gurus”, casas de research, páginas das redes sociais etc;
  • Sem objetivos, sem propósito e sem fundamentos;
  • Sem ter o mínimo de organização e educação financeira;
  • Sem ter o mínimo de reserva de emergência (pelo menos 3 meses, com salvo exceções);
  • Sem saber e/ou entender o que está fazendo, ou seja, sem conhecer sobre o(s) ativo(s) que está investindo;
  • Acreditando que a Bolsa de Valores, ou melhor, a Renda Variável como um todo, é cassino ou aposta;
  • Sem diversificar com estratégia;
  • Não tendo meta mensal de investimentos;
  • Buscando “atalhos” e ganhos rápidos e fáceis (mentalidade errada);
  • Com foco somente no curtíssimo e curto prazo;
  • Pautando as escolhas com base somente na rentabilidade;
  • Achando que já sabe tudo e que não precisa aprender mais (até porque o mercado é bem dinâmico e com frequência surgem novidades ou mudanças);
  • Sem ter algum tipo de proteção.

Todos os pontos acima são cruciais, alguns mais, outros menos, mas todos devem ser levados em consideração no momento de investir, independentemente do seu perfil. 

Então agora que você já entendeu o que não fazer, vamos entender como começar a investir do jeito certo?

Publicidade

Publicidade

Ah, se já investe, mas ainda tem suas dificuldades e inseguranças, ou seja, é apenas um iniciante nesta jornada, saiba que essas dicas também são para você!

Como investir do JEITO CERTO?

  • Tendo planejamento, controle e organização financeira, tanto para ter certeza de que está investindo tudo o que pode (potencial máximo), como também para não correr o risco de surgir algum “imprevisto” (onde a maioria, na verdade, é decorrente da pura falta de organização e planejamento) e precisar resgatar os recursos antes do prazo, acarretando ou aumentando a probabilidade de ter prejuízo com o investimento;
  • Tendo reserva de emergência para pelo menos 3 meses (3x seu custo de vida mensal), justamente para que você esteja minimamente protegido(a) contra imprevistos como desemprego, algum outro tipo de interrupção repentina da renda ou até mesmo diminuição brusca, problema de saúde, acidentes etc; 

A depender, principalmente, do seu estilo de vida pessoal e de trabalho, é até possível começar a investir sem ter conseguido juntar os 3 meses de reserva, o que não recomendo fazer em hipótese alguma é investir sem ter NADA de reserva (tipo ao menos 1 mês!); 

Publicidade

  • É interessante também ir constituindo o que chamamos de “reserva de oportunidade”, que nada mais é do que ter um dinheiro disponível em caixa (com segurança e liquidez) para aproveitar algumas oportunidades de investimentos que podem surgir no caminho, então você fica preparado para aproveitá-las;
  • Alinhando todos os investimentos não somente de acordo com o seu perfil de investidor e aceitação de risco, mas também com os objetivos para o curto, médio e longo prazos;
  • Entendendo o que está fazendo e com fundamentos. Jamais invista em algo que não conhece e não se sente confortável. Os investidores são mais arriscados do que os investimentos, acredite!
  • Entendendo a tributação aplicável de cada investimento para conseguir analisar o ganho líquido (já descontado os eventuais impostos) dos investimentos; 
  • Diversificando com estratégia, inclusive com algum tipo de proteção;
  • Tendo paciência, disciplina, constância e resiliência;
  • Tendo, sempre que possível, a mentalidade de longo prazo e o foco na construção de patrimônio (especialmente se está iniciando);
  • Analisando também a questão da liquidez e segurança/risco nas escolhas dos investimentos, pois nem sempre a rentabilidade é o fator mais importante para todos os investimentos, ou seja, nem sempre o investimento que rende mais é o ideal!
  • Buscando sempre obter retornos acima da inflação (ganho real), especialmente para investimentos de médio e longo prazos, do contrário, você não estará realmente ganhando dinheiro!
  • Buscando se manter sempre atualizado(a) e em constante aprendizado, pois como dito mais acima, o mercado é bastante dinâmico, seja trazendo novos investimentos ou mudando as regras de investimentos já existentes!

Para concluir, caso ainda não tenha ficado claro, quero que você tenha certeza de que apenas poupar e investir não basta, é preciso também saber investir e, claro, para isso, colocar tudo o que aprendeu neste artigo em prática, bora lá?

Como costumo dizer: seus resultados são proporcionais às suas atitudes!

Publicidade

-Daniela V. Monteiro

*As opiniões do colunista não refletem necessariamente a posição da Estoa.

Publicidade