A jornada das dívidas até a liberdade financeira

Publicidade

Publicidade

Muitas pessoas evitam olhar para a sua situação financeira porque entendem que vão precisar abrir mão dos seus “prazeres” para resolver essa situação. Muitas vezes preferem continuar vivendo de “jeitinho em jeitinho” ao invés de encarar a dor de resolver o seu problema.

Nós nos acomodamos com o que deveria incomodar.

Publicidade

Culturalmente no Brasil temos dificuldade de lidar com dinheiro, porque não somos orientados desde pequenos a nos relacionar saudavelmente com as finanças.


Publicidade

Observem este trecho do artigo da Valor investe:

Publicidade

77% dos brasileiros se sentem no direito de gastar seu dinheiro com as coisas que lhe dão prazer. “Eu sou classe baixa, moro na periferia, mas compro roupa e bolsa de marca. (…) O que a classe média tem, eu também posso ter. Vai demorar mais um pouco, mas se eu quiser também posso ter”, diz uma jovem de 15 anos, entrevistada em São Paulo.

Ao mesmo tempo em que ganhar mais dinheiro do que a média atrai “inveja”, segundo 90% dos brasileiros entrevistados, é preciso aparentar estar minimamente bem de bolso, já que 89% dos brasileiros concordam com a frase: “todo mundo diz que dinheiro não é tudo, mas se você aparecer mal vestido ou com um carro velho em frente aos amigos, todo mundo vai reparar”.

Publicidade

Publicidade

Ou seja, queremos viver a vida de uma pessoa que sabe cuidar do seu dinheiro, e pra isso sacrificamos o pouco que ganhamos, e nos endividamos para seguir um padrão de vida que o nosso dinheiro não pode pagar.

89% dos entrevistados vestem ou compram bens materiais, para serem aceitos nos grupos dos quais fazem parte.

Publicidade

Entende o quanto você deixa de ser “você” para viver de acordo com o que a sociedade impõe? Muitos não percebem que este padrão de comportamento te leva a viver uma vida que não te faz feliz, mas te faz aceito. 

E aí eu te pergunto até quando?

Publicidade

Até quando as pessoas precisam ficar doentes porque estão endividadas? Até quando os casamentos serão desfeitos? Até quanto sua família vai precisar sofrer? Por que você está se preocupando em ser aceito em grupos que não contribuem para o seu crescimento profissional e pessoal? Será que vale mesmo a pena? 

Hoje eu sei que na internet, tem uma série de pessoas falando sobre Educação Financeira, e tem pessoas super influentes que inclusive foram as pioneiras aqui na internet, mas o ponto aqui é: se você só consumir informação e não agir, a jornada das dívidas a liberdade financeira nunca vai acontecer.

Para perder 10 quilos, você precisa primeiro perder algumas gramas, para se tornar um médico, engenheiro, enfermeiro, advogado, você precisa se matricular em uma faculdade.

Passos para conseguir a sua liberdade financeira

Para retomar a sua saúde financeira você primeiro precisa se conscientizar e aceitar que você tem um problema, e que não toma decisões inteligentes em relação ao seu dinheiro.

Primeiro passo

O primeiro passo é reconhecer a sua atual situação financeira: endividado, não sobra nada mais paga tudo, sei quais são as minhas dívidas e como vou pagá-las, eu consigo poupar dinheiro mensalmente, eu sei exatamente como está minha saúde financeira? Qual a sua real situação hoje?

Segundo passo

Reconhecer que você não tem um bom relacionamento com o dinheiro, tem pessoas que talvez não tenham dívidas em atraso, mas que o dinheiro vai todo para pagar contas, ou seja, o seu relacionamento com o dinheiro não é saudável.

Aqui é onde você olha o quanto você ganha e o quanto você gasta, o tal do orçamento financeiro.

Terceiro passo

O terceiro passo é um ato de coragem, coragem para mudar a maneira como você encara o seu dinheiro, é o momento que você decide que não será mais marionete do consumismo, do cartão de crédito, cheque especial, cartão de loja que parcela sem juros. 

É quando você vai parar este ciclo encarando o dinheiro como um meio e não como fim, quando você vai ao contrário de tudo que seu cérebro está acostumado a fazer, e inicia a criação da sua reserva financeira.

Mas Vanessa eu estou devendo, como vou investir? Lembre-se, com um ato de coragem, você será seu próprio suporte em momentos de emergência e não o banco. Você é o seu melhor investimento. Seu primeiro investimento será o seu grito de liberdade, e você não faz ideia desta sensação até ter esta atitude.

Quarto passo

Fazer um mapeamento de dívidas e mapa de quitação, quais são as dívidas com garantia e dívidas com consequências severas? Essas são dividas que você não pode deixar de pagar.

Quais são as dívidas que você pode deixar de pagar e começar a montar uma reserva de quitação de dívidas para depois negociar e conseguir dar um suspiro? 

Lembre-se que essa escolha precisa ser feita com responsabilidade e maturidade.

Só assim você consegue entender quanto tempo vai levar para colocar as coisas em ordem.

O início da sua mudança começa hoje lendo este artigo e decidindo se posicionar financeiramente.

Entenda que você precisa dar um passo de cada vez, não tente resolver tudo ao mesmo tempo, você demorou um certo tempo para chegar na situação em que está, e não irá sair desta situação do dia para noite, respeite o processo.

E quando você começar não pare até terminar esta jornada.

Dinheiro sem destino é dinheiro perdido, e você o que tem feito com o seu?

-Vanessa Euzebio

*As opiniões do colunista não refletem necessariamente a posição da Estoa.

Publicidade