A espera do próximo movimento do Fed

Publicidade

Publicidade

Durante este ano de 2022, os investidores parecem ter uma obsessão com a direção da política do Federal Reserve. Dado o nível de inflação que vimos e o papel que a política monetária tem desempenhado na condução dos resultados do mercado desde 2008, esse comportamento é compreensível.

Mas, há mais a considerar no mercado atual do que o Fed e sua luta contra a inflação. E tememos que um foco doméstico possa ignorar fatores importantes que podem ter impacto nas carteiras de investimentos. 

Fragilidade de ganhos

Publicidade

Primeiro, continuamos a ver risco nas previsões de lucros corporativos de hoje. Eles ainda parecem bem altos, especialmente devido à recente reafirmação do presidente do Federal Reserve, Jerome Powell, do compromisso do banco central de combater a inflação, mesmo que isso signifique infligir algum dano à economia e aos lucros corporativos. 


Publicidade

As expectativas de lucro caíram um pouco, mas as estimativas para 2023 ainda estão 5% acima de 2022.

Publicidade

 Acredita-se que executivos corporativos e analistas de Wall Street podem estar subestimando a potencial perda de poder de precificação que as empresas experimentarão com novos cortes nas taxas e queda da inflação, já que a inflação ajudou a manter os preços nominais mais altos. 

 Finalmente, é claro, a ampla desaceleração econômica terá efeitos generalizados.

Publicidade

Publicidade

Dificuldades Globais

 Certamente, o mercado reconheceu os riscos da guerra Rússia/Ucrânia e as implicações óbvias para os preços globais de energia e alimentos. Mas com os preços do petróleo recuando e a inflação sendo vista em grande parte como superior, estamos preocupados com a compreensão dos investidores dos EUA em relação aos riscos e oportunidades globais que têm pouco a ver com o Fed.

  • Em primeiro lugar, a situação na Europa merece atenção. A crise energética está piorando, com os preços do gás natural e da eletricidade subindo. Isso elevou as taxas de inflação da zona do euro acima de 9% e aumentou a probabilidade de uma recessão severa. O Banco Central Europeu provavelmente precisará iniciar seu próprio ciclo de aumentos de juros no momento em que a economia entrar em desaceleração. A pressão  para ajudar a arrefecer a demanda pode acabar recaindo sobre o Fed – um risco que não parece precificado pelos mercados financeiros. Embora as incertezas permaneçam em torno da inflação e da formulação de políticas, os mercados parecem ter levado em consideração uma possível recessão na Europa, refletida na fraqueza do euro em relação ao dólar americano e nas avaliações das ações em 12 anos em relação às ações dos EUA. Isso pode significar oportunidades potenciais para investidores pacientes e orientados para o valor.
  • Em seguida, na China, a situação econômica pode ser o inverso da Europa. Embora as manchetes negativas sobre as paralisações prolongadas da COVID possam persistir, o próximo Congresso do Partido Comunista e a votação para eleger Xi Jinping como seu líder para um terceiro mandato histórico podem preparar o terreno para o que provavelmente será uma série de programas de estímulo econômico. O desempenho dos títulos chineses também pode se beneficiar de uma possível resolução com a SEC de emissões de ações de empresas chinesas detidas por bancos depositários dos EUA. E, ao contrário de outros grandes mercados, a China tem inflação baixa, altas taxas de juros reais e uma moeda relativamente forte, o que dá ao país muita flexibilidade política.


Publicidade

  • Uma nota final para os investidores é o efeito potencialmente desestabilizador de um dólar americano excessivamente forte. Embora a força do dólar tenha moderado a inflação ao consumidor nos EUA, também é cada vez mais um vento contrário para os lucros das empresas do S&P 500 e para a competitividade das multinacionais americanas. Os ativos financeiros dos EUA parecem cada vez menos atraentes para os investidores estrangeiros.

A conclusão é que os investidores não podem permanecer focados apenas no Fed. Existem outros fatores e riscos em jogo, e as carteiras globais podem precisar ser reequilibradas. Os investidores devem manter a diversificação global.

-Flávia Davoli

Publicidade

*As opiniões do colunista não refletem necessariamente a posição da Estoa.

Publicidade

O melhor conteúdo de negócios e economia no Brasil, de graça para você.

Cadastre-se para ter acesso a este conteúdo, é totalmente de graça!

Ao se cadastrar, você concorda com o compartilhamento de seus dados com a Estoa, e com os Termos de Uso , incluindo o uso de cookies e o envio de comunicações