Bitcoin pode cair para US$ 5 mil em 2023, afirma analistas da Standard Chartered

Publicidade

Publicidade

O Bitcoin (BTC) ainda pode ter muito mais para cair no próximo ano, de acordo com analistas da Standard Chartered.

A primeira e maior criptomoeda do mundo pode cair para até US$ 5.000 em um cenário imaginado pelo grupo bancário, já que o estouro da “bolha cripto” terá mais ramificações ao longo de 2023.

Publicidade


“Os rendimentos despencaram junto com as ações de tecnologia e, embora a liquidação do Bitcoin desacelere, o estrago já foi feito”, disse o chefe de pesquisa global do banco, Eric Robertsen.

Publicidade

A previsão foi feita como parte da lista anual de surpresas do Standard Chartered que os analistas acreditam que os mercados podem estar negligenciando ou subestimando.

Publicidade

Outras possíveis surpresas para o próximo ano incluem uma queda nos preços do petróleo, o impeachment do presidente dos EUA, Joe Biden, e um colapso nos preços dos alimentos.

A lista, agora em sua oitava edição, não pretende prever eventos de alta probabilidade, mas sim considerar situações com chance diferente de zero de acontecer que atualmente não fazem parte do consenso de mercado.

Publicidade

Publicidade

Se mais empresas e exchanges de criptomoedas ficarem sem dinheiro, disse o relatório, a confiança dos investidores em criptoativos pode entrar em colapso e enviar as pessoas de volta ao clássico refúgio seguro do ouro.

Como parte desse cenário, o ouro poderia subir 30%. O metal precioso teve um baixo desempenho em 2022, caindo 20% em relação às máximas de março, mas pode se beneficiar de uma queda na confiança das criptomoedas.

Publicidade

O Standard Chartered também identificou a possibilidade de uma desaceleração mais ampla nas ações de tecnologia, superando até mesmo o golpe sofrido por muitas empresas este ano.


Publicidade

Os valores das empresas no Nasdaq 100 caíram cerca de 25% ao longo de 2022, mas os analistas compararam isso com o declínio ainda maior visto no crash das pontocom do início da década.

“Talvez ecoando a contração no setor de ativos digitais, as empresas de tecnologia da próxima geração veem um aumento nas falências em 2023”, afirmaram.

Enquanto isso, as empresas em estágio inicial podem ter mais dificuldade nessa situação para obter financiamento, pois os custos de financiamento aumentam e a liquidez diminui.

*Com Criptonizando

Publicidade