Argentina: ministro renuncia e cidadãos buscam stablecoins

Publicidade

Publicidade

A Argentina foi pega de surpresa no último sábado (2), com a renúncia de Martin Guzmán, ministro das Finanças do país. Guzmán saiu em meio a uma severa crise econômica e uma inflação que supera os 60% nos últimos doze meses – a maior do país em 30 anos.

Com a renúncia de Guzmán, os argentinos correram em busca de moeda forte para se proteger. Logo, os volumes de compras de stablecoins dispararam no país. De acordo com as maiores exchanges locais, a procura no final de semana da renúncia cresceu entre 200% e 300% além do volume normal.

Publicidade


Três grandes exchanges de criptomoedas disseram que os consumidores estavam procurando se proteger contra uma potencial desvalorização do peso argentino (ARS), cujo poder de compra despencou no ano passado.

Publicidade

Procura de stablecoins explode no país

Uma das registrar grandes volumes de busca foi a Buenbit. De acordo com um representante da empresa, os volumes cresceram 300% no domingo (3), um dia após a renúncia de Guzmán.

Publicidade

Nesse sentido, a stablecoin DAI liderou as buscas entre as stablecoins. A maioria dos clientes utilizou a DAI como garantia para obter empréstimos em pesos argentinos. Com a sua moeda fraca, os clientes compraram mais DAI visando se proteger da possível desvalorização do peso.

Atualmente, um peso argentino vale US$ 0,008, ou seja, 100 pesos correspondem a menos de US$ 1,00. Mas a cotação oficial é quase o dobro desse valor e, com os temores com a renúncia de Guzmán, a cotação da moeda deve cair ainda mais.

Publicidade

Publicidade

Diante dessa possibilidade, os jornais locais não descartam a possibilidade de o governo anunciar um feriado cambial nesta segunda-feira (4). A medida serviria como uma forma de impedir que os cidadãos corram para trocar seus pesos.

Só que uma corrida pelas stablecoins pode prejudicar as próprias exchanges, já que não há referências de preços para o dólar no fim de semana. Por isso, a maioria das corretoras aumentou fortemente os spreads entre os preços de compra e venda para 18%, quando normalmente é de apenas 2%.

Publicidade

Andrés Vilella Weisz, chefe de negociação e estratégia da exchange cripto com sede na Argentina Lemon Cash, confirmou essa informação. “Por causa da demanda forte e sem preços de referência, os preços das stablecoins dispararam por causa do aumento dos spreads”, disse.

Moeda argentina cai em peso após renúncia

Mesmo sem um preço de referência do peso para o dólar, o preço da moeda argentina desabou em termos de stablecoins. Após a renúncia de Guzmán, o peso desvalorizou cerca de 15% em relação às stablecoins DAI e USDT em várias das principais exchanges locais.

Publicidade

Quando Guzmán renunciou, as stablecoins subiram de ARS 245 na sexta-feira (1) para ARS 280 no fim de semana. Mas no domingo, o governo nomeou Silvina Batakis para substituir Guzmán como ministra das Finanças, o que aumentou o preço das stablecoins para ARS 303.

Em ambos os casos, os valores estão entre 200% a 300% maiores do que o preço oficial do dólar. Para o CEO da exchange Ripio, Sebastian Serrano, o motivo é a natureza das criptomoedas, que funciona 24 horas por dia.

“Sempre que há uma dessas notícias na Argentina, por causa da natureza ininterrupta das criptomoedas, este é o primeiro mercado onde a Argentina começa a procurar um preço para o dólar. Isso aumenta os volumes ”, disse Serrano à CoinDesk.


De acordo com os jornais argentinos, a renúncia de Guzmán faz parte das últimas consequências de uma briga entre o presidente argentino Alberto Fernández e a vice-presidente, Cristina Kirchner, sobre a direção econômica do país.

Além disso, o banco central da Argentina está ficando sem reservas em moeda estrangeira, o que está dificultando as importações. E quanto menos reservas o país possui, maior é a dificuldade para combater a desvalorização do peso.

Publicidade