Alta de 0,55% do IPCA-15 em janeiro fica acima da expectativa

Todos os nove grupos do índice apresentaram alta; o resultado foi puxado Saúde e Alimentação

Publicidade

Publicidade

A prévia da inflação brasileira apresentou uma alta de 0,55% em janeiro, informou o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) nesta terça-feira (24). Os dados registrados pelo Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo – 15 (IPCA-15), considerado o indicador que prevê a inflação, foi composto por um aumento em todos os nove grupos do medidor.

Em dezembro, a variação chegou a 0,52%, e a 0,58% em janeiro de 2022.

Publicidade

Nos últimos 12 meses, o resultado atingiu 5,87%, contra 5,90% manifestados nos últimos 12 meses anteriores (dezembro de 2021 a dezembro de 2022). A variação ficou acima da média projetada pelo Banco Central (3,25%), mesmo com margem de tolerância de 1,5 ponto porcentual.


Publicidade

O Boletim Focus, divulgado na última segunda-feira (23), elevou a previsão da inflação, calculada pelo IPCA, pela sexta vez consecutiva. A projeção está, hoje, em 5,48%.

Publicidade

Alta nos nove grupos do IPCA-15

Dentre os nove grupos componentes do IPCA-15, todos apresentaram altas. O resultado de janeiro foi puxado, principalmente, pela variação dos grupos Saúde e cuidados pessoais (1,10%) e Alimentação e bebidas (0,55%), acima de Comunicação (2,36%), com um impacto de 0,11 ponto porcentual. 

Transportes e Habitação ambos subiram 0,17%, enquanto Despesas pessoais expressou 0,57%. Confira abaixo os resultados:

Publicidade

Publicidade

  • Alimentação e bebidas – 0,55%;
  • Habitação – 0,17%;
  • Artigos de residência – 0,38%;
  • Vestuário – 0,42%;
  • Transportes – 0,17%;
  • Saúde e cuidados pessoais – 1,10%;
  • Despesas pessoais – 0,57%;
  • Educação – 0,36%;
  • Comunicação – 2,36%.
Imagem ilustrativa/Foto: Paulo Whitaker/Reuters

O indicador também mediu os 50 produtos que mais tiveram alta em janeiro. Alimentação e bebidas dominou a lista, com 38 dos itens pertencendo ao grupo.

Saúde e Alimentação

Embora Comunicações tenha a maior variação do mês (2,36%), os maiores impactos vieram dos grupos Saúde e cuidados pessoais e Alimentação e bebidas.

Publicidade

Em janeiro, Saúde e cuidados pessoais (1,10%) contribuiu com um impacto de 0,14 ponto porcentual, influenciado pelo preço de itens de higiene pessoal (1,88%), contra 0,04% em dezembro; perfumes (4,24%); produtos para pele (3,85%); e pelo aumento do preço de planos de saúde (1,21%).

Em seguida, Alimentação e bebidas (0,55%), da mesma forma que ficou abaixo da variação de dezembro (0,69%), que indicou um impacto de 0,15 ponto porcentual, teve um impacto de 0,12 ponto porcentual em janeiro.

Publicidade

Com 38 produtos presentes na lista dos 50 itens que mais subiram, Alimentação e bebidas demonstrou alta nos preço dos alimentos para consumo no domicílio (0,61%), assim puxado pelo aumento da abobrinha (18,95%), laranja-baía (18,11%), batata-inglesa (15,99%), peixe-filhote (14,17%) e tangerina (13,73%).

Além dos alimentos para consumo no domicílio, com destaque para o tomate (5,96%), arroz (3,36%) e frutas (1,74%), a alimentação fora do domicílio (0,39%) teve uma alta de 0,80% no lanche e 0,14% na refeição.


Do mesmo modo que nos 50 itens que mais recuaram neste mês, 32 são alimentos e bebidas. Com uma queda significativa do preço do limão (-34,35%), pepino (-16,04%), cebola (-15,21%), banana-da-terra (-3,52%) e leite longa vida (-2,04%). 

Comunicação, Transportes e Habitação

O terceiro grupo que mais impactou o resultado de janeiro, Comunicação (2,36), foi influenciado pelo preço de TV por assinatura (11,78%), combo de telefonia, internet e TVs por assinatura (3,24%), acesso à internet (2,11%) e aparelho telefônico (1,78%).

Já os dois grupos a exprimir uma variação de 0,17% e um impacto de 0,03 ponto percentual, em janeiro, foram Transportes e Habitação.

Ao geral, Transportes teve uma alta controlada devido ao emplacamento e licença (1,61%) e à queda do preço dos combustíveis (-0,58%), composto pelo óleo diesel (-3,08%), gasolina (-0,59%), gás veicular (-0,40%), porém, com alta do etanol (0,51%).

Em Habitação, o grupo registrou queda no preço do gás de botijão (-1,32%) e da energia elétrica residencial (-0,16%), ao mesmo tempo de um avanço no preço do gás encanado (7,09%) e na taxa de água e esgoto (0,75%).

Recorte regional

Das 11 regiões que o IPCA-15 estuda, todas tiveram altas em janeiro. A maior variação vista em Belo Horizonte (0,92%) foi resultado da alta de higiene pessoal (2,65%), taxa de água e esgoto (5,85%) e batata-inglesa (23,18%).

A menor variação, no entanto, foi no Rio de Janeiro (0,23%), com a queda da energia elétrica (-4,82%) e da cebola (-20,18%).

  • Rio de Janeiro – 0,23%;
  • Porto Alegre – 0,34%;
  • Belo Horizonte – 0,92%;
  • Recife – 0,57%;
  • São Paulo – 0,62%;
  • Brasília – 0,43%;
  • Belém – 0,83%;
  • Fortaleza – 0,69%;
  • Salvador – 0,60%;
  • Curitiba – 0,30%;
  • Goiânia – 0,39%.
Publicidade