AliExpress inova e abre plataforma de varejo no Brasil

A novidade irá possibilitar que os consumidores comprem diretamente das grandes marcas

Publicidade

Publicidade

O aplicativo de vendas internacionais Aliexpress, abriu sua plataforma de varejo no Brasil, para que grandes marcas nacionais também possam oferecer seus produtos diretamente ao consumidor final.  

O Aliexpress é um marketplace (shopping center virtual) lançado em 2010, pertencente ao grupo chinês, Alibaba. Informa que a abertura da loja virtual irá beneficiar os vendedores do Brasil com o tráfego de milhões de usuários por mês. 

Publicidade


Implementação das marcas 

Já é possível encontrar na plataforma, por exemplo, brinquedos e produtos para crianças oferecidos diretamente pela Chicco, ração animal da Pedigree e Whiskas ou produtos de higiene e beleza da Procter & Gamble. 

Publicidade

Além de marcas conhecidas dos brasileiros, como a fabricante de fraldas Mamypoko e acessórios oficiais Waaw, do DJ e produtor musical brasileiro Alok, estão disponíveis no marketplace.

Publicidade

A Cainiao, filial logística do AliExpress no Brasil, irá coordenar a entrega de produtos dos vendedores nacionais.

Como irá funcionar ?

Todos os cadastros de lojistas do país deverão passar pela aprovação do AliExpress e, a princípio, a empresa só aceitará vendedores que possuem CNPJ. A companhia disse que esta é “uma forma de controlar a qualidade dos serviços oferecidos na plataforma AliExpress”.

Publicidade

Publicidade

A empresa irá oferecer comissões entre 5% a 8% sobre o faturamento com vendas do marketplace para os lojistas do país. Os vendedores poderão acessar a base de clientes da plataforma, e utilizar a malha logística oferecida pela Cainiao para a entrega de produtos pelo país.

Benefícios à partir desta parceria

A inserção destas marcas no app da AliExpress permitirá que os consumidores comprem diretamente dos seus fabricantes e distribuidores. 

Publicidade

Com a principal vantagem de que esta novidade elimina custos comuns no varejo, como o sobrepreço cobrado por revendedores, o que permite que o usuário final acesse os itens que deseja pelos menores preços.

A empresa ainda oferece frete grátis para compras com valor acima de R$50, e quando o pedido não tiver “peso excessivo”.

Publicidade

AliExpress inova e abre plataforma de varejo no Brasil
Imagem ilustrativa/Foto: Reprodução

Avanço da plataforma no Brasil

Há um ano, o Brasil tornou-se o único país das Américas em que o AliExpress permite que vendedores locais se cadastrem para vender para outros consumidores nacionais. 

As lojas brasileiras no marketplace desfrutam de condições especiais para atender seus consumidores, como o acesso à solução logística Tarifa Simples, que facilita a oferta de frete grátis para o consumidor e a possibilidade de parcelar o valor da venda sem cobrança de juros.

Visão para o futuro

De acordo com Rodrigo Rezende, diretor comercial do AliExpress, a agregação de lojas oficiais de marcas brasileiras de diversas áreas, como moda, beleza, bebidas, pets, itens para a casa ou brinquedos, será um fator cada vez mais constante ao longo dos próximos meses.

Nos últimos anos, as plataformas de vendas online mantiveram um crescimento constante, principalmente pelo fato da popularidade que elas ganharam, desmistificando vários “contras’’ que eram acarretados as compras online.

Segundo Briza Bueno, diretora do AliExpress, o ingresso das marcas nacionais na plataforma contribui para o crescimento do e-commerce brasileiro.

“O ingresso de mais fabricantes nacionais em nosso marketplace permite que estes acessem nossos usuários e tecnologias, ampliando a digitalização de suas operações, o que é positivo para todo varejo eletrônico do País”, diz.

Dito isto, a plataforma foi considerada o terceiro app/site em que os brasileiros mais efetuam compras, possibilitando que as marcas anunciantes obtenham uma visibilidade gigante.

“Nosso objetivo é oferecer a melhor experiência de compra ao usuário, o que significa garantir que ele encontrará em nosso app não só os itens únicos, que apenas chegam ao Brasil por meio do nosso comércio internacional, mas também os produtos de fabricantes nacionais, que ele confia e deseja consumir pelo melhor preço’’, concluiu Rezende.

Publicidade