Taxa Selic: Entenda como ela funciona

O indicador que é um importante representante para a taxa de juros

Publicidade

Publicidade

A Taxa Selic é extremamente conhecida por ser intimamente ligada à variação das taxas de juros e por estar relacionada à rentabilidade de alguns tipos de poupança.

Ela é um importante fator da economia, porém que nem sempre é entendida pelas pessoas as quais ela afeta.

Como a Taxa Selic surgiu?

Publicidade

Apesar de ser um importante fator nas relações financeiras entre diferentes instituições, a Taxa Selic teve um surgimento um tanto quanto tardio.

Ela foi criada no ano de 1979, pela organização ANDIMA juntamente com o Banco Central. Essa era a sigla para Associação Nacional das Instituições do Mercado Financeiro, que tinha como objetivo representar o setor financeiro de diferentes instituições que a formavam.

Publicidade

Anos mais tarde, ela foi dissolvida com outra associação para gerar a ANBIMA.

Publicidade

Nessa época, o Brasil passava por um momento extremamente difícil em sua economia. As taxas de inflação eram gigantescas, fazendo com que ela fosse criada com o objetivo de controlar esse número.

Pedaços de carne representando muito dinheiro/Fonte: BBC News

Anos depois, o Brasil havia criado um outro sistema para a atualização de operações financeiras entre as diferentes instituições.

Publicidade

Publicidade

Ele se chamava Sistema de Banda de Juros, e havia sido criado em 1996. Porém, três anos depois de sua criação, em 1999, esse modelo foi extinto, deixando com que a taxa selic fosse a única atuando nessa função.


Publicidade

De qualquer forma, a Taxa Selic continuou atuando junto com o Sistema de Banda de Juros até a anulação do segundo.

Em 1999, esse sistema foi extinto, fazendo com que a taxa selic fosse a única desempenhando este papel.

Publicidade

Como a Taxa Selic funciona?

Uma das principais formas de arrecadação de capital de um governo é a coleta de impostos. Uma vez que esta não dá conta de arcar com as despesas de uma nação, o Estado recorre a empréstimos.

Apesar de gerar gastos futuros, essa é uma forma de quitar as dívidas atuais. Dessa forma, o Sistema Especial de Liquidação e Custódia, a chamada Selic, entra em jogo.

Nesse ambiente, são emitidos os títulos de Tesouro Direto, que visam arcar com essas dívidas. 

As flutuações nos números dessa taxa condizem com a negociação desses títulos. Quando eles são negociados entre instituições, elas podem obter lucro ou terminar no prejuízo. Quando isso acontece, novos empréstimos são gerados para preencher essas lacunas.

Daí a Selic é gerada, com base nas flutuações dos lucros dessas instituições.

Porcentagem vermelha em meio a cifrões/Fonte: Blog Fontana

Quando a taxa Selic aumenta, a inflação diminui, fazendo com que ela controle a taxa inflacionária de forma direta.

Esse índice funciona a nível nacional, sendo considerado em todo o território brasileiro.

A taxa Selic influencia, ainda, algumas cadernetas de poupança. Dessa forma, a rentabilidade dessas contas se dá diretamente à variação desse índice.

Ela é estabelecida a cada 45 dias pelo COPOM, o Comitê de Política Monetária. Os números desse índice também são expostos no site do Banco Central.

A taxa Selic também é conhecida por ser extremamente próxima do Certificado de Depósito Interbancário, o CDI.

Sua proximidade se dá, acima de tudo, para evitar relações indevidas com os resultados que as lacunas entre esses índices podem gerar. O CDI é emitido apenas entre instituições bancárias.


Os empréstimos feitos por esses bancos são, inicialmente, em Selic e depois transformados em CDI, fazendo com que uma parcela de lucro indevida ou de prejuízo seja alcançada.

Por fim, esse índice pode ainda ser dividido entre dois tipos, a Selic Over e a Selic Meta.

Qual a diferença entre Selic Over e Selic Meta?

O primeiro tipo, a Selic Over, descreve a média ponderada entre todas as operações realizadas dentro do sistema Selic. Dessa forma, é possível entender que a Selic Over corresponde a todas as transações que ocorrem, sobretudo, entre instituições financeiras.

Isso faz com que elas negociem o crédito através do CDI e utilizem-se de seus títulos no Tesouro Direto para compor as quantias transacionadas. Isso quer dizer que os bancos usam esse mecanismo para lastrear suas interações. 

Dessa forma, a quantia negociada através desses títulos gera taxas, que são chamadas de Taxas Over.

Porcentagens sendo empilhadas/Fonte: Urbe.Lab

Já a Selic Meta corresponde ao conceito fundamental da Selic. Ela se refere à taxa básica que norteia todas as outras taxas e preços no Brasil, inclusive, a da inflação.

Dessa forma, a taxa de Selic Meta é exatamente a utilizada para se referir às interações das taxas de juros no mercado.

É importante destacar que, apesar da taxa selic atuar da mesma forma em diferentes tipos de rentáveis de renda fixa, ainda é preciso avaliar as opções.

Dessa forma, saber interpretar e entender como essa taxa se comporta diante dos diferentes cenários da área econômica é fundamental para definir o melhor tipo de investimento e a maneira certa de se portar diante do mercado.

Publicidade