Bull trap: saiba o que é esse termo

Padrão falso para entrar em bull market, como é o funcionamento e os sinais para não cair na armadilha

Publicidade

Publicidade

Funcionando em sucessão do Bull Market, a armadilha de touro, o abrasileirado para Bull Trap é a falsa sensação que o mercado entrará em alta. Com sinalizações complexas para identificar, é uma tendência perigosa aos investidores, que coloca ativos em grande risco.

Em decorrência do funcionamento do bull market, visto que para funcionar, os acionistas compram ativos em decadência crendo que elas vão sair da baixa e serem valorizadas, porém o que ocorre é justamente ao contrário. Os investidores caem na armadilha e o mercado já desvalorizado cai ainda mais.

O que é o bull trap?

Publicidade

A origem do termo bull market, mercado de touro em tradução livre, pode ser datado para o início dos anos 1700 em Londres. Ela se conceitua na sensação otimista dos investidores diante de um mercado estagnado ou em queda, visando o aquecimento do mercado e a alta das ações.


Publicidade

Durante um período longo de queda de uma ação, sua atividade gráfica tem uma tendência a subir, desta forma ultrapassando o nível de resistência. Mesmo após uma alta, se ela se manter elevada por um tempo, o bem deve seguir o caminho do mercado de touro.

Publicidade

Já a armadilha do touro, a tal bull trap, é a noção equivocada de que o mercado irá seguir essa onda de sucesso. 

É quando o ativo recém comprado não cumpre as projeções, e o investidor entra em prejuízo.

Publicidade

Publicidade

Vale ressaltar a distinção com o Bear Trap. A armadilha do movimento oposto ao de touro. Como a economia funciona de modo cíclico, os fenômenos se intercalam, gerando resultados completamente diferentes.

Imagem ilustrativa/Foto: Reprodução

Como identificar uma Bull Trap

Embora a movimentação habitual de uma ação após um longo período de uma baixa seja de crescimento, o ativo em si se mantém, é o mercado que a valoriza. 

Publicidade

Portanto, de tempos em tempos, o bull trap é algo inevitável. Tornando a identificação dos indícios uma tarefa peculiar, realizada por profissionais treinados.

Em função de evitar os riscos, não se deve restringir em análises gráficas como estudo e monitoramento do mercado, e sim estar por dentro dos acontecimentos e eventos. Não se limitar é fundamental para fazer uma boa leitura financeira da ação.

Publicidade

Uma característica que marca o início desse padrão enganoso é a formação de um intervalo no gráfico de atividade da ação. Quando há uma variação notável do preço dentro dos níveis de resistência e de suporte, um intervalo é gerado, sinalizando uma inércia ou decadência.

Agora dentro do universo, fora de estar atualizado de todas as atualizações do ativo, deve-se observar as atividades para determinar a ocorrência de sobrevenda ou sobrecompra.


Em geral, se o ativo estiver em sobrevenda ele deve atingir o nível de resistência e logo em seguida seguir a tendência de alta. Em outras palavras, se ele estiver sendo vendido por um preço baixo e com uma certa frequência, ainda há espaço para o crescimento, ou seja, está em trajetória de seguir o bull market.

Entretanto, a sobrecompra de uma ação é um indício da armadilha, significa que a projeção é de declínio.

E mesmo sabendo os índices, estudos e características, o bull trap é imprevisível, sendo algo nunca completamente seguro.

Os riscos da armadilha

Apesar de não serem inesperados, visto que não há muitos outros riscos além dos expectáveis, porém não eles não deixam de ser grandes. Os maiores riscos associados ao bull trap são os relacionados ao prejuízo do investidor.

Ao comprar um ativo desvalorizado, além de grandes perdas e estar preso a algo inoperante, há um exercício cansativo de tentar manter a ação estável, para não cair com prejuízos.

Pois, após a compra de uma ação que não entende as tendências projetadas, o acionista está agora comprometido a um bem que, se já não está no nível de resistência, está propício de entrar em declínio.

Imagem ilustrativa/Foto: Freepik

Como se prevenir

A princípio, a armadilha de touro é inesperada com precedentes fracos e raramente perceptíveis. Independentemente da quantidade de análises e estudos, para se prevenir e evitar, é questão de prática. 

O monitoramento gráfico, dos indicadores técnicos e de todos os eventos e atividades em relação ao bem continua indispensável. Todavia, como o bull trap ocorre em função do bull market, um movimento em que o emocional tem um papel fundamental, para não cair na armadilha, é necessário ter controle. 

Publicidade